Paisagem Mestiça

Na década de 1920, modernistas devoraram referências do universo indígena da Amazônia, então praticamente desconhecidas do grande público, sobremodo nas regiões meridionais de um Brasil que se urbanizava progressivamente. Dessa atitude antropofágica, nasceram novos imaginários difundidos nas artes. Hoje, passados 90 anos da Semana de 22, vemos como parte significativa daquele universo foi incorporado, ou entretecido, em níveis e formas diversas, a contextos criativos na produção artística que abrange da literatura ao cinema, da pintura à música, teatro, escultura, arquitetura, entre outras expressões das artes.

Como exemplo, um dos primeiros resultados desta produção original no Brasil é Macunaíma, de Mario de Andrade1.

À esquerda, exemplar de muiraquitã do acervo arqueológico do Museu Paraense Emilio Goeldi, artefato raro e de grande valor simbólico, objeto essencial da narrativa de Macunaíma, cuja primeira versão foi datada por Mario de Andrade em dezembro de 1926, ainda em redação durante sua viagem à Amazônia no ano seguinte, por fim, publicada em 1928. Ao centro, O Batismo de Macunaíma (1956), tela de Tarsila do Amaral. À direita, pôster do filme dirigido por Joaquim Pedro de Andrade, lançado em 1969. Imagens: Wagner Souza e Silva (muiraquitã). Enciclopédia Itaú Cultural.

À esquerda, exemplar de muiraquitã do acervo arqueológico do Museu Paraense Emilio Goeldi, artefato raro e de grande valor simbólico, objeto essencial da narrativa de Macunaíma, cuja primeira versão foi datada por Mario de Andrade em dezembro de 1926, ainda em redação durante sua viagem à Amazônia no ano seguinte, por fim, publicada em 1928. Ao centro, O Batismo de Macunaíma (1956), tela de Tarsila do Amaral. À direita, pôster do filme dirigido por Joaquim Pedro de Andrade, lançado em 1969. Imagens: Wagner Souza e Silva (muiraquitã). Enciclopédia Itaú Cultural.

Todavia, se as artes abriram novos caminhos para ingressarmos na impressionante e diversa paisagem cultural construída por povos indígenas, muitas das referências são ainda desconhecidas quanto a origem, assim como os estudos sobre as sociedades indígenas amazônicas, que não alcançam um público maior, e continuam mais difundidos entre os especialistas, principalmente no meio acadêmico.

Desde a chegada do colonizador europeu, a contínua exploração dos territórios ancestrais da Amazônia produziu, ao longo do tempo, paisagens mestiças que revelam o complexo mosaico cultural de gentes e dos processos dinâmicos na história de sua transformação, impulsionada por atividades econômicas de grande impacto no século XX. Etnias foram extintas, outras resistiram por certo tempo, ou migraram, pressionadas pelo avanço da exploração predatória em marcha.

A presença humana na Amazônia é muito antiga. Evidências arqueológicas ultrapassam 10.000 anos2. Vestígios na paisagem comprovam que, em certos lugares, existiram grandes aldeias, com densidade populacional elevada. Os primeiros relatos manuscritos de europeus que penetraram aquele vasto território, informam sobre povos que dominavam extensas áreas3. Do encontro entre colonizadores e culturas nativas do chamado Novo Mundo ao olhar europeu, diversas representações foram elaboradas e passaram a habitar o imaginário sobre os povos nativos.

Porém, as fontes textuais e imagéticas que nos chegaram daquele tempo de conquista de territórios ancestrais — quando a população indígena decresceria progressivamente — são insuficientes para se compreender o passado humano pré-colonial na região.

"Relación del descubrimiento del famoso río grande que, desde su nacimiento hasta el mar, descubrió el Capitán Orellana en unión de 56 hombres escrita por Fr. Gaspar de Carbaxal, del Orden de Santo Domingo de Guzmán", manuscrito quinhentista do frei dominicano Gaspar de Carvajal, um dos primeiros relatos textuais a indicar a existência de grandes aldeias indígenas na Amazônia. Imagem: © Biblioteca Nacional de España.

“Relación del descubrimiento del famoso río grande que, desde su nacimiento hasta el mar, descubrió el Capitán Orellana en unión de 56 hombres escrita por Fr. Gaspar de Carbaxal, del Orden de Santo Domingo de Guzmán”, manuscrito quinhentista do frei dominicano Gaspar de Carvajal, um dos primeiros relatos textuais a indicar a existência de grandes aldeias indígenas na Amazônia. Imagem: © Biblioteca Nacional de España.

Daí a importância dos vestígios arqueológicos, que assim confrontados com as fontes históricas e também etnográficas, entre outras evidências identificadas cientificamente, contribuem para redescobrirmos a presença humana pregressa na Amazônia. Tais vestígios abrem perspectivas para se repensar o próprio contato intercultural havido desde a chegada de europeus, quando a dinâmica do domínio colonial na região provocou o encontro entre modos de vida tão distintos.

Um vaso de gargalo com apliques zoomórficos, típico da cerâmica tapajônica, exposto no Museu João Fona, em Santarém, Pará. Imagem: © Silvio Luiz Cordeiro.

Um vaso de gargalo com apliques zoomórficos, típico da cerâmica tapajônica, exposto no Museu João Fona, em Santarém, Pará. Imagem: © Silvio Luiz Cordeiro.

Dinâmica que provocou a transformação daquelas paisagens anteriores no tempo. Contudo, se a história do período colonial no Brasil foi tão destrutiva às sociedades nativas, assim como para gentes vindas de África, que aqui chegaram já escravizadas, ela engendrou a formação de uma nova sociedade, hoje em grande parte mestiça: um povo novo, nas palavras do antropólogo Darcy Ribeiro.

No presente, as paisagens deste universo sociocultural revelam muito mais que um mosaico de formas culturais significativas: elas expressam a mestiçagem havida, pelo convívio tantas vezes cheio de conflitos, entre culturas que coexistiram e imprimiram nas paisagens suas assinaturas. O habitat humano, portanto, revela-se enquanto paisagem cultural construída, em contínua transformação na história.

Vista da cidade de Manaus a partir do grande rio: ao centro da skyline, vê-se a cúpula do Teatro Amazonas, símbolo da cultura européia e poderio econômico da elite urbana do século XIX, advindo dos seringais. Imagem: © Silvio Luiz Cordeiro.

Vista da cidade de Manaus a partir do grande rio: ao centro da skyline, vê-se a cúpula do Teatro Amazonas, símbolo da cultura européia e poderio econômico da elite urbana do século XIX, advindo dos seringais. Imagem: © Silvio Luiz Cordeiro.

Apenas aparentemente ela se mostra como forma fixa ou permanente. A paisagem, na verdade, transforma-se a todo instante, assim compreendida como palco das ações humanas no território habitado. Na grande cidade, muito mais que na vida aldeã, cujo ritmo de mudanças é mais lento, a transformação da paisagem é evidente aos seus habitantes. Como conjunto de lugares em que as forças da vida em sociedade se animam, ela é um estado no tempo, vasta forma em construção, transitória, ainda que alguns de seus lugares constituintes, especialmente sejam, ou tendem a ser, mais duradouros, a exemplo aqueles valorizados e reconhecidos como patrimônio histórico.

O domínio colonial português na América do Sul definiu extensas fronteiras, sobremodo pelas incursões de colonos no século XVII, como nas bandeiras dos paulistas4.

A Amazônia compreende no presente grande parte do Brasil, todavia com amplas zonas ainda por conhecer. Hoje, neste vasto território, o contraste entre tempos das paisagens amazônicas pode ser simbolicamente sintetizado em fatores históricos contemporâneos da região, isto é, a presença de etnias indígenas que lá habitam ainda em relativo isolamento de contatos com a sociedade nacional, enquanto novas atividades, com seus grandes canteiros de obras, instalam-se, a exemplo da geração de energia hidrelétrica, entre outras ações ditas progressistas, promovidas por um Estado que tantas vezes age, no fim, para beneficiar grupos corruptos.

Em Tefé, cidade do Amazonas, um entreposto madeireiro flutuante no Solimões: nota-se os enormes troncos de árvores que chegaram de algum desmatamento no interior da floresta, transportados pelo próprio rio. Imagem: © Silvio Luiz Cordeiro.

Em Tefé, cidade do Amazonas, um entreposto madeireiro flutuante no Solimões: nota-se os enormes troncos de árvores que chegaram de algum desmatamento no interior da floresta, transportados pelo próprio rio. Imagem: © Silvio Luiz Cordeiro.

Muitas áreas abrigam relevante potencial arqueológico. Povos ancestrais manejaram o complexo bioma. No construir de seus habitats, usufruíram a paisagem natural da floresta para transforma-la em paisagens culturais próprias, desenvolvendo saberes e várias técnicas específicas, do cultivo de plantas à construção de moradas coletivas e grandes aldeias. Vestígios destas antigas paisagens sobrevivem, ainda que em ruínas, a exemplo das elevações artificiais erigidas milênios atrás na Ilha do Marajó5 e dos geoglifos no Acre6. A chamada terra preta de índio, super fértil, foi originada no passado pela intensa atividade antrópica, em vários lugares da Amazônia, como atestam pesquisas recentes7.

Vista do chamado Teso dos Bichos, sitio arqueológico marajoara, exemplarmente escavado pela arqueóloga Anna Curtenius Roosevelt nos anos 1980. Passados os séculos, ainda que em grande parte erodido, além do saque de artefatos ao longo do tempo, remanesce elevado na planície da grande ilha, como testemunho de uma das mais significativas culturas da antiguidade na Amazônia. Imagem: © Wagner Souza e Silva.

Vista do chamado Teso dos Bichos, sitio arqueológico marajoara, exemplarmente escavado pela arqueóloga Anna Curtenius Roosevelt nos anos 1980. Passados os séculos, ainda que em grande parte erodido, além do saque de artefatos ao longo do tempo, remanesce elevado na planície da grande ilha, como testemunho de uma das mais significativas culturas da antiguidade na Amazônia. Imagem: © Wagner Souza e Silva.

Muitas cidades e vilas fundadas na Amazônia nos tempos da colônia coincidem com habitats indígenas anteriores. Em 1750, as fronteiras entre os domínios ibéricos na América, assim como na Ásia, foram redefinidas no Tratado de Madri, quando então grande parte da Amazônia foi incorporada ao território sob domínio português8. Pouco depois, a partir da política ultramarina de Pombal, sob o reinado de D. José I, não por acaso muitos povoados foram instituídos ou refundados com nomes de cidades portuguesas, a reforçar a estratégia jurídica do uti possidetis. Entre eles, o aldeamento jesuítico fundado em 1661 na foz do Tapajós 9, foi elevado à vila em 1758 com o nome de Santarém: implantado sobre importante e antiga aldeia dos Tapajó, ainda são encontrados vestígios arqueológicos na cidade, principalmente fragmentos de refinada arte cerâmica, presentes nos sítios intra-urbanos.

Uma vista de Santarém, no Pará, desenhada em setembro de 2013: vê-se a praça da catedral e o atracadouro à margem do rio Tapajós, com o típico barco de madeira — o recreio — a transportar grande quantidade de produtos variados, assim como gente, a dormir em redes nas longas travessias pelas águas amazônicas, em viagens que podem levar dias, até se chegar às cidades e comunidades ribeirinhas. Imagem: © Silvio Luiz Cordeiro.

Uma vista de Santarém, no Pará, desenhada em setembro de 2013: vê-se a praça da catedral e o atracadouro à margem do rio Tapajós, com o típico barco de madeira — o recreio — a transportar grande quantidade de produtos variados, assim como gente, a dormir em redes nas longas travessias pelas águas amazônicas, em viagens que podem levar dias, até se chegar às cidades e comunidades ribeirinhas. Imagem: © Silvio Luiz Cordeiro.

A marcha da colonização, todavia, não se restringiu ao período histórico colonial do Brasil: ela continua no presente, em novas frentes de exploração de recursos naturais, com impactos destrutivos variados. A população indígena, que decaiu no passado, voltou a crescer, porém, limitada a certas áreas. Contudo, sob a polêmica e cambiante política de tutela dos índios pelo Estado, muitas etnias ainda esperam pela demarcação de suas terras, fator essencial para as culturas indígenas.

No início do século XX, o major Luiz Thomaz Reis, integrante da Comissão Rondon, produziu os primeiros registros cinematográficos de etnias que foram integradas à Nação. Em seu filme Ao Redor do Brasil (1932), acervo do Museu do Índio, cenas expressivas da chamada pacificação empreendida pelo Serviço de Proteção aos Índios e Localização dos Trabalhadores Nacionais, rememoram, em tempos modernos, antigas práticas de atração. O documento visual histórico deste processo desvela uma violência simbólica, seja pelo ato do registro antropométrico dos indivíduos, seja na metáfora de civiliza-los, pelo gesto de vesti-los.

© Acervo Museu do Índio.

Novas atividades e estruturas surgiram no tempo, incluindo o crescimento periférico de cidades na Amazônia, motivado pela exploração capitalista que se introduziu na região. Fordlândia, Projeto Jari, Projeto Carajás, plantações de soja, pecuária, madeireiras, garimpo, são alguns exemplos no Pará, estado com grandes áreas devastadas. A rodovia Transamazônica, as hidrelétricas (Belo Monte, Balbina, Jirau, Santo Antonio, assim como as usinas projetadas para o Tapajós), entre outras infraestruturas, assinalam a transformação da paisagem regional e insistem em modos predatórios de integração da Amazônia aos setores produtivos, sob demandas e práticas econômicas que transcendem fronteiras.

Em Iracema – uma Transa Amazônica (1975), filme de Jorge Bodanzky e Orlando Senna, há um registro documental impressionante da destruição em marcha na floresta — e sobre paisagens indígenas ancestrais — ao tempo do regime militar no Brasil: considerada como uma vasta geografia desabitada, a política de integrar a Amazônia atualizava formas predatórias de incorporar economicamente a região à civilização. Na época, o filme foi proibido no Brasil pela censura do regime.

© Jorge Bodanzky e Orlando Senna.

Tempos distintos do complexo universo sociocultural, econômico e ambiental da Amazônia se entrecruzam no contraste entre habitats. Dos vestígios de sociedades antigas às paisagens urbanas contemporâneas, à presença de diversas culturas indígenas no presente às comunidades ribeirinhas e quilombolas, a Amazônia revela-se por realidades culturais complexas, expressas, portanto, desde os remanescentes arqueológicos à urbanização (precária e incompleta das cidades da região), incluindo o conjunto de infraestruturas componentes de forças produtivas que representam as várias formas de exploração econômica na história daquela geografia. Os impactos do capital na região, frente aos modos de vida ditos arcaicos ou tradicionais, provocam o entretecer de questões que ultrapassam os limites geográficos deste vasto território, ao tempo em que vemos o mundo se tornar, cada vez, numa ampla paisagem urbana, praticamente já integrada pela realidade das redes telemáticas.

Vista de uma parte do casario na cidade de Tefé, sobre um barranco à margem esquerda do Solimões. Não há estradas. Chega-se à cidade, como tantas outras na região, por vias fluviais ou aéreas. As antenas instaladas nas casas captam imagens e imaginários, difundidos nas telas de TV, principal meio de informação das comunidades, ao lado do rádio e mesmo da Internet, em algumas delas. Imagem: © Silvio Luiz Cordeiro.

Vista de uma parte do casario na cidade de Tefé, sobre um barranco à margem esquerda do Solimões. Não há estradas. Chega-se à cidade, como tantas outras na região, por vias fluviais ou aéreas. As antenas instaladas nas casas captam imagens e imaginários, difundidos nas telas de TV, principal meio de informação das comunidades, ao lado do rádio e mesmo da Internet, em algumas delas. Imagem: © Silvio Luiz Cordeiro.

O contraste entre o que existiu e aquilo que hoje se vê, traduz-se no presente como medida da mutação dos lugares habitados e explorados por milênios, com ritmos, intensidades e valores distintos no tempo. A partir do estudo de fontes diversas e de coleções (sobremodo etnográficas e arqueológicas), redescobre-se narrativas como memórias de paisagens culturais da Amazônia, conformando esse vasto território compreendido em contínua transformação movida pelas atividades humanas, fruto das diversas culturas que existiram no passado, assim como daquelas que hoje lá habitam.

Máscara Jurupixuna coletada na Viagem Philosophica de Alexandre Rodrigues Ferreira, em fins do século XVIII. Imagem: © Museu da Ciência da Universidade de Coimbra.

Máscara Jurupixuna coletada na Amazônia durante a Viagem Philosophica de Alexandre Rodrigues Ferreira, em fins do século XVIII. Imagem: © Museu da Ciência da Universidade de Coimbra.

Se a história recente da região é relativamente mais conhecida do grande público, sobretudo pelos problemas ambientais que frequentam o noticiário dos telejornais, a história humana pregressa da Amazônia permanece pouco conhecida e divulgada, ainda muito restrita aos especialistas e seus círculos acadêmicos.

Entretanto, dos primeiros estudos arqueológicos desenvolvidos na região desde fins do século XIX às recentes descobertas, o passado da Amazônia, pouco a pouco, tornara-se mais visível. Mas o ritmo das mutações em curso se acelera; e importantes zonas com relevante potencial arqueológico, a exemplo da bacia do Tapajós, podem ser destruídas, sem nunca terem sido estudas propriamente.

O estudo da presença humana na Amazônia se movimenta por entre diversos fragmentos documentais — artefatos, objetos de estudos etnográficos, manuscritos, mapas, desenhos, fotografias, filmes, sons — que assim testemunham, cada qual, um tempo, um momento da complexa paisagem cultural de lugares significativos desta vasta geografia. Narrativas são construídas, portanto, a partir de uma trama elaborada no confronto de tempos e matérias distintas. Todas elas abrigam memórias da intensa atividade humana ali presente, em vestígios e ruínas, em obras e intervenções que imprimem o ritmo da transformação contemporânea de antigas paisagens.

S.L.C.


Notas


  1. Como esclarece Telê Ancona Lopez, em suas palavras na nova edição de O Turista Aprendiz (2015): “o estudioso e viajor pela Amazônia nas leituras que o tinham impelido à criação de Macunaíma, ainda na fase de redação em 1927, pudera se transformar no pesquisador de cirandas e boi-bumbá, registrando, in loco, melodias, lendas e parlendas.” (p. 23). Mario de Andrade reuniu em sua biblioteca diversos volumes sobre temas da etnologia e mitologia, sobremodo das culturas ameríndias, a exemplo de Vom Roroima zum Orinoco, de Theodor Koch-Grünberg: em sua leitura, especialmente do segundo volume (publicado em 1924), o modernista extraiu as referências sobre Makunaima, mito registrado pelo autor alemão junto à etnia autodenominada Pemon (Taurepang), de língua Karib, cujos grupos habitam certas áreas nas fronteiras entre Roraima, Guiana e a Amazônia Venezuelana.
  2. Por exemplo dos estudos dirigidos pela arqueóloga estadunidense Anna Curtenius Roosevelt na Amazônia. Nos anos 1991-92, Roosevelt encontrou na chamada Gruta da Pedra Pintada (Monte Alegre – PA) diversas evidências da presença humana no passado do lugar: a gruta, como seu nome indica, possui pinturas rupestres e relativamente bem conservadas; das camadas estratigráficas expostas durante as escavações no seu interior, surgiram fragmentos cerâmicos, sementes carbonizadas, restos de fauna, além de artefatos líticos, como fragmentos de pontas de flecha. Dos vestígios coletados e cientificamente analisados, Anna Roosevelt conseguiu estimar a presença dos primeiros humanos na gruta em torno de 11.200 anos A.P.*, sendo até hoje a datação mais antiga obtida para um assentamento paleoindígena na Amazônia. * Antes do Presente.
  3. O frei dominicano Gaspar de Carvajal acompanhou Francisco de Orellana, quem, enviado por Gonzalo Pizarro, desceu o rio Amazonas entre 1541 e 1542. Considera-se esta viagem como a primeira navegação completa do grande rio realizada por europeus no século XVI. Partiram de Quito no Peru, atravessaram os Andes, quando então a expedição chegou à floresta. Pouco depois, Pizarro decidiu dividi-la, devido à situação extrema enfrentada naquele ambiente e território ainda desconhecido. Orellana e seu grupo desceria assim pelo Amazonas até a sua foz. No manuscrito quinhentista — Relación del descubrimiento del famoso río grande que, desde su nacimiento hasta el mar, descubrió el Capitán Orellana etc. — Carvajal descreveu a dura viagem; e, daquilo que viu e testemunhou, conta-nos sobre terras povoadas, grandes aldeias de senhorios poderosos.
  4. Entre elas, a bandeira capitaneada por Antonio Raposo Tavares que, em 1648, partindo da Vila de São Paulo de Piratininga, subiu o Tietê, penetrando os sertões por mais de três anos. O grupo desceria o rio Madeira e, depois, alcançaria o Solimões-Amazonas, navegando-o até chegar com os poucos sobreviventes à foz do Xingu, já na altura do forte de Gurupá, como relatou o jesuíta Antonio Vieira.
  5. Existem na Ilha diversas elevações – os chamados tesos – em grande parte saqueadas por fazendeiros locais, mesmo quando foram estudas por arqueólogos, desde fins do século XIX. A chamada arte marajoara vista no artesanato produzido em Icoaraci incorpora motivos da cultura paleoindígena que construiu tais elevações, como os grafismos e motivos antropomórficos e zoomórficos encontrados em urnas funerárias, estatuetas e outros objetos cerâmicos retirados dos tesos do Marajó.
  6. Com o desmatamento na região, amplas estruturas arqueológicas foram evidenciadas e reconhecidas em formas diversas a partir de sobrevoos. Pouco se sabe, todavia, sobre suas funções e das culturas que erigiram tais estruturas.
  7. Ver Amazonian Dark Earths: Explorations in Space and Time.
  8. Ainda no século XVIII, tratados posteriores precisaram estas fronteiras, acompanhados de expedições de demarcação, composta por vários especialistas. Deste primeiro tratado, lê-se no Artigo III: “(…) pertenecerá a la Corona de Portugal todo lo que tiene ocupado por el río Marañón, o de las Amazonas arriba, y el terreno de ambas riberas de este río, hasta los parajes que abajo se dirán; como también todo lo que tiene ocupado en el distrito de Matogroso, y desde este paraje hacia la parte del oriente y Brasil; sin embargo de cualquiera pretensión que pueda alegarse por parte de la Corona de España, con motivo de lo que se determinó en el referido tratado de Tordesillas. A cuyo efecto Su Majestad Católica, en su nombre y de sus herederos y sucesores, se desiste, y renuncia formalmente a cualquiera derecho y acción, que en virtud del dicho tratado o por otro cualquiera título, pueda tener a los referidos territorios”. Ver Tratado firmado en Madrid
  9. Sobre este aldeamento, ver no relato redigido por Bettendorf, Chronica da Missão dos Padres da Companhia de Jesus no Estado do Maranhão , o Livro 4º, 3º Capítulo, páginas 168 a 174.